Impacto Da Pandemia Nas Pequenas E Microempresas É Maior Do Que O Esperado

Um estudo recente do Sebrae, em parceria com a Fundação Getúlio Vargas, fez um raio x da situação das pequenas empresas afetadas pela crise econômica. A 5ª edição da Pesquisa “O impacto da pandemia de coronavírus nos pequenos negócios” analisou a situação de 6.470 estabelecimentos, entre Microempreendedores Individuais (MEI), Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. 84% dessas empresas tiveram seu faturamento reduzido no período; 40% delas têm pagamentos atrasados e, para se adaptar ao momento, 59% mudaram sua forma de atuação.

Considerando a importância dos pequenos negócios e conhecendo profundamente o comportamento financeiro dessas empresas, para ter uma avaliação prática e estratégica das principais dificuldades das Pequenas e Médias Empresas (PMEs) no período, a Celero, startup paranaense que domina a automação financeira no País, através de um software exclusivo, analisou o perfil e as mudanças de inúmeras empresas cadastradas, e constatou que, em algumas situações, as dificuldades financeiras são ainda maiores do que o revelado pelo levantamento do Sebrae.

Dívidas crescem 11 vezes mais

A startup comparou o valor das dívidas acumuladas por 20% das empresas analisadas, e concluiu que o impacto financeiro no caixa das organizações foi avassalador. As dívidas acumuladas cresceram onze vezes na comparação entre os meses de março e julho de 2019 e o mesmo período de 2020.

A pesquisa da Celero aponta outras dificuldades que as PMEs enfrentam. De acordo com os índices, as contas pagas depois do vencimento aumentaram 259% no período analisado. O prazo para quitação dessas dívidas também aumentou, enquanto em 2019 a média de pagamento em atraso era de 3 dias, neste ano, passou para 7 dias. Em casos extremos, envolvendo setores como o de turismo e eventos, os atrasos dos pagamentos de contas chegaram a 45 dias. Inclusive, muitas dessas empresas não têm previsão para a quitação, ou seja, atualmente não reúnem condições de saldar seus compromissos financeiros.

Parte desse reflexo é o efeito cascata da inadimplência de seus credores. Entre as PMEs analisadas, o termo receitas “não recebidas” teve um impacto importante, com aumento de 230% em relação ao mesmo período do ano anterior. A pesquisa confirma que muitos desses empreendedores não conseguiram encontrar alternativas para se orientar na crise e retomar a lucratividade. Diante da falta de perspectivas de alguns setores para a adimplência, esse efeito dominó impacta toda a cadeia, tornando o cenário ainda mais preocupante.

Falhas na gestão

Atualmente, no Brasil, aproximadamente 88% dos CNPJS são PMEs, responsáveis por um fluxo significativo na geração de renda e emprego, fatores extremamente relevantes para a recuperação do País. “Ocorre, porém, que essas empresas são as menos qualificadas e profissionalizadas no quesito gestão. Estima-se que 85% desses empreendedores não saibam a importância da gestão financeira que, naturalmente, não é só pagar contas. Entre as PMEs que fecham as portas, 6 em cada 10 alegam desconhecer os problemas de gestão”, ressalta João Tosin, CEO da Celero.

Mas, não saber como administrar esses resultados através de ajustes financeiros e de gestão é dúvida frequente no setor. O especialista em Finanças, Auditoria e Controladoria, João Augusto Betenheuzer, CFO da Celero, avalia que a pandemia agravou essa deficiência em muitas PMES, porém, já sofrem com impactos negativos da administração falha há muito mais tempo. “Muitos gestores, dessas PMEs, têm dificuldades de assimilar os aspectos da burocracia, e não sabem como driblar esse quesito. Além disso, o desconhecimento das rotinas financeiras e tributárias são fatores adicionais para dificultar a gestão” relata Betenheuzer.

No Brasil, as dificuldades atingem todos os setores, e a reação diante da crise e, também, das complexidades que envolvem o empreendedorismo, são regularmente voltadas à gestão estratégica. “Conhecer o segmento em que atua; entender quanto é o custo operacional da empresa; estar atento às medidas governamentais ou de mercado, que possam desafogar o negócio e, além disso, ter foco para acompanhamento diário, são as principais regras para o gerenciamento de qualquer negócio”, explica o especialista.

O planejamento para enfrentar a atual situação e ter resultado durante e no pós-crise, exige medidas desde já. Não é possível esperar e, muito menos, agir sem planejar.

Como nasceu a Celero?

A Celero foi lançada oficialmente em 2016, mas está no mercado desde 2014, iniciando sua trajetória como uma consultoria financeira chamada J2 Consulting. Com a disciplina e trabalho que qualquer empreendimento exige, João Tosin, João Augusto Betenheuzer e Pedro Chaves remodelaram o negócio e lançaram, dois anos depois, a Celero: startup, inovadora, com serviços de gestão e automação para o departamento financeiro das empresas.

Hoje, a startup oferece, através de tecnologia, um departamento financeiro online para PMEs de todas as regiões do País. Pioneira nesse nicho de mercado, sua plataforma é a única do mundo que automatiza toda a rotina financeira, transformando fotos ou imagens de documentos em relatórios financeiros e operações bancárias. A tecnologia, inclusive, pode ser utilizada sem a exigência de nenhum conhecimento técnico do setor, diferencial que facilita a vida dos empreendedores, impactados muitas vezes pela burocracia e desconhecimento das rotinas financeira e tributária do Brasil.

5 visualizações

Posts recentes

Ver tudo
Fale conosco